Depois de falar de uvas tecnicamente mais conhecidas como Merlot, Carbenet e Pinot noir, chegou a hora de falar da "Pinotage" e "Bonarda", algumas pessoas vem pedindo mais descrissão e detalhes das uvas, venho aqui lembrar para vocês que esta serie de postagens é apenas para conhecimento geral e não detalhado, lembrem-se que estamos definindo cada uva para depois começar com as indicações, críticas e postagens variadas. 

O Pinotage (Origem África do Sul) é um resultado de misturas com pinot noir e cinsaut, foi trazida para o Brasil em meados de '79 e foi sendo cultivada apenas para experimentos nos vinhedos da "Maison Forestier", a mesma empresa que a trouce para o País, mais foi nos anos '90 que começou a ser plantada para nível comercial na Serra Gaúcha.
Considerada uma uva nobre, o Pinotage resulta em um vinho bem frutoso e perfeito para ser consumido jovem, com sua cor rubi chamativa, limpa e brilhante, seus aromas são diferenciados de qualquer outro tipo de vinho, contendo amoras, ameixas e cassis. Uma uva perfeita para sair da "mesmisse". Quer experimentar algo novo? O Pinotage é a uva perfeita para se distanciar dos mais falados. 

Por outro lado, a uva Bonarda se originou no norte da Itália e foi implantada no Rio Grande do Sul em 1930, durante alguns anos essa uva foi destaque entre as víniferas tintas produzidas no estado, porém, com a difusão dos vinhos franceses lá pela decada de '70 a Bonarda foi ficando desvalorizada, até hoje se tornar o que é. Por seu cultivo ser bastante delicado (ciclo longo de amadurecimento que necessita de bastante calor, caso contrario seu resultado não vai ser tão agradavel) a uva bem cuidada resulta em um vinho bonito de se ver, leve e bastante frutado. 
A dificuldade de produzir um bom vinho com esta uva faz com que o Brasil se torne um dos destaques de importação do Bonarda, com um preço bem acessivel e custo beneficio positivo. 
Picture
Siga nosso site pelo Twitter e Facebook, não deixe de conferir nosso podcast

Picture
Adriel Dantas participa do TintoCast e é viciado em literatura e vinhos, porém nunca deixa o fone de ouvido de lado onde escuta diariamente clássicos dos anos '50.

 


Comments




Leave a Reply